Para garantir isolamento de ruídos é preciso definir corretamente os materiais ainda no projeto


O barulho excessivo tornou-se um grande desafio para as construções nas grandes cidades. Qualidade e alto padrão de um imóvel significam também autonomia em relação aos ruídos externos.

Todo projeto de arquitetura deveria ter sempre uma maior preocupação como a acústica, dispensando a mesma atenção que é dada à parte estrutural. Mas isso raramente acontece na fase preliminar às construções. A falta de isolamento acústico só é percebida após o uso das edificações, quando as soluções vêm a ser mais complexas e caras.

Um bom começo para evitar o problema é a escolha dos tijolos que vedarão a casa. A construção deve formar uma barreira contra o som, que deve ser composta por material de alta densidade, para formar uma massa bloqueadora.

Uma boa opção são os blocos de concreto, o comum perfurado ou o celular com cápsulas de ar igualmente distribuídas em sua estrutura, que tem ainda melhor desempenho.

Outro ponto propício para a passagem do som são as aberturas. Portanto, se passar ar, passa som.

Para as janelas, há uma vasta opção de caixilhos acústicos. Vale lembrar que o melhor isolamento se dá não apenas pela espessura do vidro ou a composição de dois vidros, mas, sim, pelo conjunto: vidro, caixilho – partes em alumínio ou PVC - e borrachas que unem esses materiais.

A porta é outro elemento que costuma ser um grande vilão invisível na acústica. Uma porta convencional, mesmo que seja de madeira maciça, pode propiciar a passagem de som. Isso porque para que ela se movimente livremente é necessário que tenha frestas, tanto nas laterais como no encontro com o piso, onde existe uma folga absolutamente livre.

Fonte: Arquitetura Mirna Zambrana